Início

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Encontro da Câmara Temática de teatro reuniu seis grupos

Do Comunidade Tia Marita


Os grupos Teatro Total, Teatro Popular de Ilhéus, Companhia Ilheense de Teatro, Companhia Casa Aberta de Teatro, Grupo Maktub e a Cia Boi da Cara Preta estiveram reunidos na noite do último dia 11 de janeiro para discutir a criação do Regimento Interno, dos Critérios de identificação dos artistas de teatro, da criação do blog, do Cadastramento e as eleições do Conselho Municipal de Cultura que ocorrerão em março deste ano.


Leia abaixo a Ata da Primeira Reunião do Ano

ATA DA PRIMEIRA REUNIÃO DA CÂMARA SETORIAL DE TEATRO
2013

Aos onze dias do mês de janeiro de dois mil e treze foi realizada a primeira reunião do ano do Fórum Permanente de Teatro, órgão do Conselho Municipal de Cultura, denominado CMC, também conhecido como Câmara Setorial de Teatro de Ilhéus. A reunião teve início com a formação da mesa pelos titular e suplente da Câmara de Teatro que ocupam assento no CMC, pelo presidente do CMC, pelo Secretário Geral, também do CMC, e pelo Diretor Teatral Pawlo Cidade, idealizador da convocação. A primeira fala coube ao diretor Pawlo Cidade que explicou os motivos da convocação a saber: 1. Criação do Blog da Câmara; 2. Cadastramento dos artistas e de todos os profissionais de Teatro de Ilhéus; 3. Criação do Regimento Interno; 4. Eleição dos novos titular e suplente para a cadeira do CMC e 5. Elaboração de critérios que identifiquem o artista de Teatro em Ilhéus. Em seguida, o diretor teatral Pawlo Cidade agradeceu a presença de todos e sugeriu que cada um se apresentasse dizendo seu nome, grupo a que pertence e sua função no Teatro. Após a apresentação de todos os 38 presentes, que representavam os grupos Teatro Popular de Ilhéus, Grupo Teatro Total, Companhia boi da Cara Preta, Cia Casa Aberta de Teatro, Teatro Popular Jorde Amado, Cia Ilheense de Teatro e Grupo Maktub, Pawlo Cidade falou das inúmeras tentativas de se organizar o teatro no município de Ilhéus, de diversas reuniões realizadas, da luta da classe desde a extinta Sociedade de Arte e Cultura de Ilhéus, no início dos anos 80, e do surgimento do CMC e das políticas públicas que estão sendo implementadas em Ilhéus, sobretudo o FMC – Fundo Municipal de Cultura e o PMC – Plano Municipal de Cultura. O coreógrafo Alexandre quis tirar uma dúvida sobre o Fundo Municipal de Cultura e seus recursos. De pronto foi explicado sobre a origem dos recursos e a fiscalização que todos devem exercer quanto o uso dos mesmos. Pawlo explicou que estão previstos cerca de R$ 124.000,00 de recursos oriundos do IPTU e ISS e mais R$ 100.000,00 vindos do FCBA, rubrica que está atrelada ao ICMS do Estado. Acrescentou ainda que estes recursos podem ser ampliados se a Fundação Cultural de Ilhéus concluiu o Acordo de Cooperação Federativa com o Ministério da Cultura que cria totalmente o Sistema Municipal de Cultura e possibilita a transferência de recursos fundo a fundo. Após a fala de Pawlo, o presidente Gilsonei Rodrigues, do CMC, elogiou a iniciativa convocatória de Pawlo Cidade, falou da importância de organização das Câmaras Setoriais, das falhas e da falta de algumas câmaras, falta de critérios das câmaras e do CPF – Conselho, Plano e Fundo apontando também algumas falhas e convocou a participação de todos nas próximas reuniões do CMC. O titular da Câmara de Teatro, Ed Paixão que as reuniões, ao longo dos últimos dois anos foram bastante produtivas; citou a dificuldade do ofício de artista de teatro em Ilhéus e que deveríamos exigir de nossos representantes públicos mais empenho na criação de serviços e programas que favoreçam a classe artística, sobretudo a de teatro. O ator e diretor Ciro Nonato falou sobre o fortalecimento político do CMC e pediu que todos estivessem unidos pela mesma causa. André Rosa, Secretário Geral do CMC atentou também para as questões políticas e falou da importância de escolhermos bons representantes para a próxima diretoria do CMC. Aproveitou ainda a oportunidade para afirmar que ele e Gilsonei Rodrigues não serão candidatos a releição do CMC. Pawlo Cidade falou de sua indicação do Secretário Albino Rubim e Diretoria de Teatro da FUNCEB pelo poder público para o Colegiado Setorial de Teatro da Bahia. Após a fala da mesa, foi  franqueada a palavra para a Assembleia. Janete Lainha, Germano Lopes, Ruy Penalva e Tacila Mendes foram os primeiros a falar sobre as discussões que foram postas. Janete Lainha discordou de alguns pontos e elogiou outros e disse que era natural que um setor atuasse mais que outro com intensidade. Germano perguntou que deveria fiscalizar os recursos do FMC. Pawlo Cidade respondeu que qualquer cidadão pode ser fiscalizador porque se trata de recursos públicos. Depois, sugeriu a criação de duas comissões: uma para criação dos critérios e outra para a elaboração do regimento interno. Para a criação dos critérios se candidataram Ruy Penalva, Germano Lopes e Paula da Cia Ilheense de Teatro; para a comissão de criação do regimento interno ficaram Eli Izidro, Ed Paixão e Ciro Nonato. Ficou decidido também que a próxima reunião da Câmara Setorial de Teatro será no dia 19 de fevereiro de 2013, às 19h00, em local a ser definido. Por fim, Gilsonei agradeceu a todos os presentes e disse que a sala do CMC está de portas abertas para as reuniões das comissões criadas. Sem nada mais para acrescentar, eu, André Rosa, Secretário Ad Hoc, subscrevo a presente ata assim como todos os presentes.

Nenhum comentário: